DESTAQUETERRA

Sky Sabre do Exército Britânico, a melhor solução para o PEE Defesa Antiaérea?

Em sua conta do Twitter, o 16º Regimento Real de Artilharia do Exército Britânico anunciou que começou a utilizar oficialmente o sistema de mísseis antiaéreos Sky Sabre, da MBDA, inicialmente para treinar e formar operadores.

O 16º Regimento é a grande unidade que gerencia a defesa antiaérea de curto alcance do Reino Unido.

Composto por quatro baterias operacionais (uma delas em permanente deployment nas ilhas Falklands), o 16º Regimento operava mísseis Rapier atualizados, dispondo de 24 lançadores.

Mesmo com as atualizações, os mísseis Rapier sabidamente não representam mais o “estado- da-arte” e por isso estão dando lugar ao Sky Sabre.

Na sua versão de emprego a partir de terra, o míssil CAMM é conhecido como Land Ceptor e todo o sistema de defesa aérea terrestre do Reino Unido atualmente sendo implementado é conhecido como Sky Sabre pelo Exército Britânico.

O sistema tem mais de três vezes o alcance do míssil Rapier.

Este sistema, na configuração britânica, consiste em mísseis CAAM, radares SAAB Giraffe, um sistema de comando Rafael, todos montados em caminhões MAN.

Para clientes internacionais, a MBDA comercializa uma versão dessa arquitetura denominada ‘Enhanced Modular Air Defence Solutions (EMADS), um sistema de defesa antiaérea dotado de mobilidade, altamente flexível, capaz de operar em qualquer condição meteorológica e reagir rapidamente contra uma ampla gama de ameaças aéreas.

O EMADS pode ser montado sobre viaturas e lançar um misto de mísseis superfície-ar CAMM e CAMM-ER.

O CAMM, capaz de alcançar alvos a 25 quilômetros de distância, é destinado ao emprego naval e terrestre.

Já o CAMM-ER possui o mesmo desenho básico do CAMM, entretanto, um sistema de propulsão maior que permite alcançar distâncias de até 45 quilômetros, tendo ele sido desenvolvido para uso terrestre.

O CAMM e o CAMM-ER, embora bem avançados, estão no início do ciclo como produto e foram projetados especificamente para a agir com eficiência contra as atuais e futuras ameaças aéreas.

O sistema como um todo não é baseado em atualizações de tecnologias ou recursos antigos que naturalmente limitam significativamente quaisquer perspectivas de melhoria futuras.

De fato, o Sky Sabre é repleto de novidades tecnológicas, sendo constituído por lançadores óctuplos, radar de vigilância e detecção aérea Saab Giraffe, um sistema de gerenciamento do campo de batalha, comando, controle, comunicações, computação e inteligência (BMC4I) fornecido pela israelense Rafael, mais unidades de comando de fogo (FCC/CRC).

As baterias Sky Sabre utilizam-se de caminhões, sendo que os lançadores estão montados em veículos MAN SV H60 8X8 equipados com guindaste (configuração britânica).

O Rafael BMC4I está conectado a um centro de controle de fogo principal e ainda pode ser redirecionado a um centro de controle de fogo auxiliar (reserva).

Ambos os centros de controle de fogo podem atuar de forma autônoma/independente, além do modo de operação usual integrado.

O radar Saab Giraffe 3D Agile Multi Beam (AMB) é um sensor passivo com varredura eletrônica para vigilância, detecção e rastreamento de alvos na banda G/H que opera a 360° com um alcance máximo de 120 km.

O míssil CAMM-ER utiliza a técnica de lançamento a frio, quando uma carga de alta pressão (ar-comprimido) ejeta o míssil do seu case de armazenamento até uma altura de 30 metros, momento em que ocorre a ignição/partida no motor.

O sistema é projetado para engajar aeronaves e drones voando baixo e mísseis de cruzeiro, armamentos stand-off e ameaças de média altitude jatos de ataque, caças-bombardeiros e aparelhos de reconhecimento do inimigo.

De acordo com a MBDA, o interesse global pela família CAMM está aumentando e discussões com um grupo de potenciais usuários estão em andamento.

Tal grupo permitirá que os potenciais clientes compartilhem informações sobre as melhores práticas em matéria de gestão de estoques e intervalos de manutenção otimizados.

Redução de custos de peças de reposição e contribuição para necessidades de futuras atualizações do sistema também seriam os potenciais benefícios para os sócios do clube.

O EMADS atraiu um número de potenciais clientes tanto na Europa quanto fora dela que estão à procura de uma nova capacidade de defesa aérea que permaneça em serviço por, pelo menos, 30 anos ou mais.

EMADS by Avibras Aeroespacial e Defesa: AV-MMA

Famosa pelo seu sistema de artilharia com foguetes ASTROS, a Avibras Indústria Aeroespacial S/A é reconhecida como fabricante de um dos mais modernos sistemas de artilharia para saturação de área do mundo.

A Avibras oferece no mercado, desde 2013, uma versão antiaérea do ASTROS denominada ASTROS AV-MMA.

A primeira versão do AV-MMA, apresentada na LAAD 2013, previa o emprego do míssil MICA VL da MBDA.

Logo após (2014), foi anunciado um novo desenvolvimento conjunto, novamente com a MBDA, dessa vez utilizando o CAMM, tendo em vista a escolha desse sistema para equipar as escoltas Classe Tamandaré, demostrando assim a capacidade da Avibras de integrar mísseis diferentes ao seu sistema.

Se o Exército Brasileiro optar por um desenvolvimento nacional para atender aos requerimentos do PEE Defesa Antiaérea, a proposta AV-MMA ficará em evidência, já que, além de oferecer a comunalidade missilística com o sistema embarcado da Marinha do Brasil, a flexibilidade de engenharia dos veículos ASTROS permite a empresa adaptar versões dos veículos lançador, remuniciador, radar, meteorologia e comando/controle por um custo significativamente reduzido, empregando a plataforma TATRA.

A primeira versão do AV-MMA, apresentada na LAAD 2013, previa o emprego do míssil MICA VL da MBDA.

De fato, o CAMM é um dos misseis cotados nos estudos do Exército Brasileiro, no âmbito do Programa Estratégico do Exército Defesa Antiaérea (Prg EE DAAe).

Em dezembro de 2020, o Ministério da Defesa estabeleceu os Requisitos Operacionais Conjuntos (ROC Nº 54/2020) para o sistema de defesa antiaérea de média altura para as Forças Armadas nacionais com componentes desenvolvidos no Brasil.

Uma leitura detalhada desse ROC demonstra claramente que a configuração Sky Sabre é exatamente similar ao que o PEE Defesa Antiaérea está buscando, um míssil classe MACH 3, all-weather e com alcance que varia de 1 a 45 mil metros e altura de 10 mil metros, possibilitando a função de curta e média altura em um mesmo sistema.

Após ser lançado, o míssil CAMM pode receber informações de atualização do seu alvo via datalink antes que o buscador de radar ativo seja acionado para a aproximação final.

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:DESTAQUE