COBERTURADESTAQUE

Seeker de míssil TAMIR do Iron Dome cai intacto em Gaza e revela tecnologia israelense.

Poucas horas após a propagação de incrível notícia sobre um míssil israelense Stunner superfície-ar usado no sistema de defesa aérea de médio alcance David Sling ter caído em território sírio, sendo imediatamente transferido pelo regime de Assad para a Rússia, surgem imagens nas mídias sociais mostrando o que parece ser a seção de fusíveis e o buscador de radar ativo (ambos intactos) de um míssil interceptor Tamir usado pelo sistema Iron Dome e capturado intacto em Gaza.
Este sistema de fusível de proximidade e radar ativo é altamente avançado, pois esse conjunto, que na verdade é o nariz do míssil, tem que detectar um pequeno e rápido alvo em voo – um foguete na maioria dos casos – e detonar a ogiva com um timing perfeito para destruí-lo.
Esses equipamentos de alta tecnologia são altamente miniaturizados e robustecidos o suficiente para resistir às forças G extremas sustentadas pelo interceptor super manobrável durante seu voo até o alvo.
O Tamir usa um buscador de radar ativo muito sensível e um sistema de link de dados de comando para perseguir um foguete que chega.
Estes componentes e seu piloto automático a bordo colocam o míssil a uma distância extremamente próxima de seu alvo, momento em que o sistema de fusível de proximidade do míssil detecta o objeto quando este começa a passar pelo feixe de mísseis e detona a ogiva a bordo, detonando-o do céu.
O míssil é tão ágil e preciso que consegue vitórias através de impacto direto no alvo que chega, apesar de não ser esse o requisito de projeto.
Como é comum em muitos mísseis ar-ar, o sistema de fusíveis está localizado em um arranjo de colarinho no corpo dianteiro do míssil, atrás de seu buscador.
Um sistema de espoleta laser de 360 graus é usado para detectar por proximidade o alvo quando este entrar no alcance letal da ogiva.
O míssil então aciona a lógica de comando que ordena a detonação da ogiva altamente explosiva, que irrompe para fora em um anel de estilhaços em forma de cunha ao redor do míssil.
Quebra de Segurança
Como no caso da notícia sobre a alegada perda do míssil Stunner para a inteligência russa, há um preço potencialmente alto de uso de armamento altamente avançado em combate que vai além dos fatores normais.
O potencial de perda maciça de propriedade tecnológica e intelectual é muito real.
Mesmo os mísseis mais avançados falham, assim como as aeronaves altamente complexas.
Quando o fazem, eles podem literalmente cair nas mãos de um inimigo, onde podem ser estudados em nível de hardware e até mesmo de software e, potencialmente, de engenharia reversa.
No mínimo, o conhecimento adquirido com a desmontagem dos componentes pode ser integrado à própria base de conhecimentos industriais do inimigo e às iniciativas de contramedidas.
Cada míssil Tamir do Iron Dome custa pelo menos US $40.000.
Dois mísseis são geralmente lançados em cada alvo para aumentar a probabilidade de destruição.
Muitas vezes, grandes multidões de Tamirs saem das baterias do Iron Dome durante uma grande barragem, ou até mesmo por engano, resultando em um espetáculo de luz quase extraterrestre no céu.
É realmente uma capacidade incrível de se contemplar.
Os mísseis são destinados a se autodestruírem se não se engajarem em um alvo, destruindo seus componentes além da recuperação, mas claramente, isso nem sempre funciona como pretendido.
As baterias Iron Dome têm sido muito ativas nos últimos dias, pois as tensões entre Israel e as facções em Gaza aumentaram após o abatimento do líder palestino da Jihad Islâmica Baha Abu al-Ata no início da semana.
Mais de 450 foguetes foram disparados desde então.
Como tal, o Iron Dome tem sido extremamente ativo na tentativa de interceptar foguetes que representam uma ameaça às áreas povoadas.
Não se tem ideia de onde este componente do fusível laser e radar ativo foi parar ou onde exatamente foi encontrado em Gaza e por quem, mas esse fato serve para lembrar a máxima: “Tudo o que sobe deve descer”.

Exemplar do míisil Stunner, do Sistema Davids-Sling, capturado na Síria e enviado a Rússia.

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

2 Comments

  1. Caraaaaaaca…

    Meu Deus do céu, que azar. A engenharia reversa agora vai ser FORTÍSSIMA!

    Se brincar, todos os dados que compõe essa tecnologia já devem estar na DeepWeb.

    1. Irã agradece. Já já eles aparecem com um sistema semelhante

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:COBERTURA