AR

Luz Verde para Indra e Thales desenvolverem novos sensores de superioridade aérea para a Europa (FCAS).

Os sensores, projetados para enfrentar os desafios operacionais da década de 2040, seguindo  as exigências das  nações participantes, contribuirão  para  a conscientização situacional e capacidade de operar sem serem detectados.

O entendimento e a estreita colaboração entre os três parceiros industriais aceleraram a definição das metas do projeto e a assinatura do contrato.

Madrid, 23 de novembro de 2020. –  Alemanha,  Espanha e  França, as três forças motrizes do programa NGWS/FCAS,  confiaram à  FCMS, Indra e Thales o desenvolvimento do inovador conjunto de sensores que equipará o  Future Combat Air System europeu ou FCAS.

A Direção Geral de Armamento Francesa (DGA),  em nome das três nações,  assinou o contrato com a  Indra como líder do  consórcio  industrial,  a fim de incorporar os Sensores como parte do quadro contratual da Fase 1.

O  Estudo Conceito fase 1 para sensores terá duração de um ano, período que pode ser prorrogado por mais seis meses.

Esse  consórcio trabalhará no projeto dos conceitos necessário para atender às apostas de 2040 e além para o sistema de combate de próxima geração,  envolvendo uma arquitetura conectada e distribuída de sensores, o design de futuras arquiteturas de sensores e o amadurecimento das tecnologias de sensores associados.

Esta arquitetura de sensores distribuídos aproveitará os recursos fornecidos pela nuvem de combate,  com maior  consciência situacional do sistema e maior sobrevivência das plataformas.

O  consórcio de sensores espera trabalhar em conjunto com os outros fornecedores de tecnologias NGWS/FCAS  (Combat Cloud, Next Generation Fighter, Remote Carriers) a fim de otimizar o design e a integração dos sensores dentro do Sistema e plataformas.

A assinatura deste contrato inicial  evidencia a excelente harmonia e espírito de colaboração entre  FCMS, Indra e Thales. Segundo Manuel Rodríguez Cerezo “a cooperação industrial e a proatividade demonstrada pelas três empresas facilitaram a tomada desse primeiro passo para avançar com o programa”.

O desenvolvimento desses sensores é essencial para garantir arquiteturas consistentes que estejam perfeitamente integradas aos caças de nova geração (NGF), sistemas não tripulados e operadores remotos (RCs) e a nuvem de combate.

A superioridade do  NGWS/FCAS  dependerá em grande parte da capacidade de sua rede de sensores de compilar mais e melhores informações do que o adversário.

 O FCMS (Future Combat Mission Systems) é um consórcio formado pela HENSOLDT, Diehl Defense, ESG e Rohde & Schwarz que reúne as capacidades e forças inovadoras de mais de 22.000 funcionários na indústria de segurança e defesa, dos quais cerca de 16.000 estão localizados na Alemanha.

A HENSOLDT está contribuindo para o FCMS com todas as suas competências de portfólio como radar, guerra eletrônica, sistemas eletro-ópticos.

Dentro da HENSOLDT, o Programa Lead está com as soluções spectrum Dominance & Airborne.

A tecnologia HENSOLDT é fundamental para o desempenho da futura rede Sensor Effector.

 

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:AR