COBERTURADESTAQUETERRAVÍDEO DO DIA

K-9A2 THUNDER, FUTURO OBUSEIRO DE 155MM DRONE?

Bem vindos seguidores, no vídeo de hoje falaremos do K-9 Thunder, obuseiro autopropulsado de 155mm fabricado na Coréia do Sul pela Hanwha Defense e dono de 67% do mercado mundial para esse tipo de armamento desde os anos 2000.

Na configuração atual, K-9A1, o obuseiro sobre lagartas é apoiado por uma ou duas viaturas remuniciadoras sobre lagartas K-10, como visto na imagem, e todo o trabalho de manuseio das diversas munições de 155mm e suas cargas propelentes pode ser executado pelas tripulações de forma semi-automatizada com grande rapidez.

Muita gente não sabe, mas a munição de um obuseiro costuma ser dividida em duas partes, a carga de propelente, acondicionada em sacos plásticos cilíndricos, e as granadas, recheadas de explosivos potentes de diferentes tipos para diferentes alvos.

A nova versão K9-A2, em desenvolvimento na Coréia do Sul, pode transportar 48 munições e suas cargas propelentes e disparar até 10 obuses por minuto, se necessário, graças ao seu sofisticado sistema robótico de Remuniciamento Automático de Dupla Ação.

Isso permitirá ao K-9A2 ser tripulado por “apenas” três pessoas, e futuramente, ser transformado em um obuseiro autônomo não tripulado, um drone com arma principal de 155mm com alcance de até 70 km conectado em rede!

Na versão proposta, já será possível um veículo de comando acionar o disparo a distância dos demais obuseiros/baterias com grande rapidez, e o sistema poderá sustentar inicialmente seis tiros por minuto.

Para conseguir esse desempenho, é necessário que todo o processo de recarga dure exatos seis segundos. Nos sistemas atuais, um recarregador carrega as granadas (ogivas) e outro recarregador carrega os propelentes (bags cilíndricos).

No K-9A2, a cada seis segundos a granada e o bag devem estar prontos e alinhados com a culatra da arma de 155mm. Existem dois dispositivos trabalhando sincronizados, um montando as munições e o outro carregando e aguardando a próxima carga.

Na torre não tripulada, existem 24 munições a esquerda e 24 a direita, um total de 48 disparos. Essa quantidade de munição tornou-se possível por que houve um ganho de espaço significativo com o uso de dois manipuladores, braços robóticos que podem executar movimentos complexos para carregar as granadas mesmo nos espaços mais apertados.

Na “caixa” que existe entre os grupos de munições ficam acondicionados 240 Bags cilíndricos de propelente, e dois manipuladores robóticos fazem o trabalho de alimentar cada granada com a quantidade correta de “bags” indicada para o tipo de munição selecionada, até um máximo de seis bags por granada. Maior alcance, mais bags de propelente. Tudo mapeado e controlado automaticamente. Granadas e propelentes são continuamente “montados” e “carregados” na culatra da arma a cada seis segundos, enquanto outra rodada de munição já está sendo preparada e alinhada para ser alimentada na arma, e assim continuamente.

O sistema de alimentação empurra primeiro a granada, recua e as cargas propelentes são colocadas em posição e empurradas a seguir, a culatra da arma se fecha e alinha para o tiro. Disparo efetuado, culatra abre e recua alinhando com o sistema de alimentação que repete o processo.

O Obuseiro auto-propulsado sobre esteiras K-9A2 Thunder está em desenvolvimento atendendo a requerimentos colocados pelo Exército da Coréia do Sul, e futuramente, uma nova série desse armamento com capacidade operacional autônoma não tripulada deverá entrar em serviço utilizando conectividade protegida contra invasões de hackers inimigos, gerenciamento do campo de batalha integrado com meios aéreos e navais, além dos meios terrestres, com grande emprego de Inteligência Artificial (IA).

O novo tubo de 155mm do K-9A2recebeu um tratamento de material mais resistente (Chromo) aumentando sua vida útil de 1.000 disparos para 1.500. O tubo também conta com uma nova manga térmica de refrigeração de dupla ação, o que permite aumentar não só a durabilidade mas também a precisão da arma.

Para que itens de artilharia pesados como obuseiros blindados possam ser considerados seguros para operação autônoma, é certo que avanços em sistemas de gerenciamento do campo de batalha e conectividade distribuída (nuvem de combate) deverão acontecer. Mas o novo sistema de Remuniciamento automático de Dupla Ação já é um grande passo nessa direção, tornando o K-9 Thunder um dos obuseiros sobre lagartas mais bem sucedidos da história.

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:COBERTURA