COBERTURADESTAQUEMARVÍDEO DO DIA

Emgepron, 40 anos de história em projetos – Fragata Tamandaré

A EMGEPRON assinou, em março de 2020, o contrato com a Sociedade de Propósito Específico Águas Azuis (SPE), formada pela thyssenkrupp Marine Systems, Embraer Defesa & Segurança e Atech, para a construção de 4 (quatro) Fragatas Classe Tamandaré (FCT).
Esses navios de última geração, que fazem parte dos Programas Estratégicos da Marinha do Brasil (MB), têm a entrega prevista, para o primeiro, em 2025 e 2029, para o último navio.
A construção será realizada 100% no Brasil, conduzida no Thyssenkrupp Estaleiro Brasil Sul, que fica localizado em Itajaí-SC.
O contrato de construção prevê índices de conteúdo local acima de 37% no primeiro navio e acima de 40%, para os demais.
Esses índices são calculados conforme critérios do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com o qual a EMGEPRON tem Acordo de Cooperação para realizar uma melhor gestão desse conteúdo local.
A estrutura contratual do Programa também envolve no Contrato Principal, o Apoio Logístico Integrado (ALI) e a Gestão do Ciclo de Vida (GCV) dos navios, bem como um Contrato de Transferência de Tecnologia e o Contrato de Offset (Acordo de Compensação).
Assim, esses contratos englobam, não somente a construção, comissionamento e a entrega das quatro FCT, mas também os processos de gestão que proporcionam o melhor desempenho dos navios ao longo de todo o seu ciclo de vida, além do desenvolvimento, integração e conhecimento sobre o Sistema de Gerenciamento de Combate (CMS) e Sistema de Gerenciamento Integrado da Plataforma (IPMS), que são a “inteligência” do navio, propriamente dita.
O Programa Fragatas Classe Tamandaré (PFCT) consiste de parte do processo de renovação da capacidade operacional da Esquadra brasileira, visando incrementar a defesa (monitoramento e proteção) da Amazônia Azul, o desenvolvimento dual (militar e civil) do segmento naval da indústria de defesa, gerando mais de 2.000 empregos diretos e aproximadamente 6.000 posições de trabalho indiretos ao longo de quase 10 anos, bem como o adensamento e robustecimento das cadeias produtivas da indústria naval no país.

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

1 Comment

  1. Emgepron vai fazer 50 anos e esse navio não vai sair do papel, valor estratosférico devido a uma transferência de tecnologia que na real não ocorrera, era melhor e mais rápido e barato comprar em um estaleiro internacional logo. Brasileiro sempre sendo feito de troux….

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:COBERTURA