ARCOBERTURADESTAQUE

Embraer e Força Aérea Brasileira assinam memorando que visa estudo de aeronaves não tripuladas

A Embraer e a Força Aérea Brasileira (FAB) assinaram um memorando de entendimento que estabelece a cooperação para estudo e avaliação das capacidades necessárias à concepção e o desenvolvimento de um veículo aéreo não tripulado de classe superior, em atendimento às necessidades da FAB.
Nas imagens, é possível antever um drone de motorização a jato, entrada de ar dorsal precedida por um esguio e aerodinâmico nariz, e dotado com duas derivas anguladas estilo YF-23 e asas super críticas de pequena envergadura.
Os trens de pouso principais aparentam uma configuração “drag-link” voltada para economizar espaço quando retraídos, e o bocal de escape está desenhado para diminuir a assinatura IR para baixo.
Não é possível ainda saber qual a carga de armas, mas acredita-se que o tipo tenha espaço suficiente para um bomb-bay ventral, transportando mísseis e bombas internamente, garantindo assim um design stealth de 5ª geração.
Especula-se que a motorização possa ser escolhida dentre um dos diversos projetos atualmente em desenvolvimento no mercado brasileiro, condizentes com o empuxo necessário para a faixa de peso total do drone, avaliado como similar ao de um EMB-314 Super Tucano em configuração limpa e abastecido.
“É uma oportunidade ímpar para a Força Aérea Brasileira aprofundar seus estudos em tecnologias disruptivas que possam causar desequilíbrio no cenário atual e futuro”, frisou o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior. “Na guerra moderna é imprescindível a utilização de plataformas aéreas não-tripuladas, operando isoladamente ou em conjunto com aeronaves tripuladas. Tal tecnologia permite reduzir custos e riscos, sem perder a eficácia no cumprimento das missões atribuídas à Aeronáutica.”
“Este estudo é de fundamental importância para a manutenção e a expansão das competências da Embraer no desenvolvimento de sistemas aéreos de defesa com alto teor tecnológico e grande complexidade de integração”, disse Jackson Schneider, Presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança. “É ainda uma oportunidade para o contínuo desenvolvimento de novas tecnologias e produtos para a FAB e o Ministério da Defesa, visando a ampliação da capacidade operacional e a garantia da soberania nacional. Um grande desafio para este sistema aéreo certamente será a sua integração e a operação de forma conjunta com outros sistemas e aeronaves, tripulados ou não-tripulados.”
A cooperação no âmbito deste memorando de entendimento visa o estudo conjunto das necessidades da FAB no contexto de suas missões, bem como o levantamento e a priorização dos elementos operacionais e logísticos relacionados ao desenvolvimento de uma plataforma aérea não tripulada de classe superior e múltiplas capacidades.
O desenvolvimento de um veículo aéreo não tripulado superior com tecnologia nacional oferece uma oportunidade relevante para a base industrial de defesa (BID) e suas empresas estratégicas, promovendo o seu desenvolvimento e fortalecendo conhecimentos para o atendimento das necessidades do Estado Brasileiro.

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:AR