COBERTURADESTAQUEMARVÍDEO DO DIA

Fuzileiros Navais apresentam suas capacidades ao Serviço de Treinamento Integrado das Nações Unidas

Nos dias 28 e 29 de junho, uma equipe formada por Oficiais do Comando da Força de Fuzileiros da Esquadra (ComFFE), Comando do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CDDCFN), Centro de Operações de Paz de Caráter Naval, Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (CIASC), conduziu, de forma virtual, com o apoio do Centro de Ensino a Distância do CFN, uma série de apresentações sobre as capacidades do Corpo de Fuzileiros Navais relacionadas ao Grupamento Operativo de Força de Paz (GptOpFuzNavFPaz), atualmente organizado pelo 2º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais.

Os 220 militares destacados no grupamento estão sendo treinados desde maio deste ano como um componente especializado para pronto emprego nas Operações de Paz das Nações Unidas (ONU), em local e momento oportuno.

Durante as apresentações, foram expostas as estruturas de recursos humanos, materiais e doutrinários, bem como toda a Sistemática de Treinamento e Avaliação em apoio àquela tropa.

As apresentações tiveram como propósito fornecer subsídios ao Serviço de Treinamento Integrado das Nações Unidas e marcaram uma das etapas do processo que visa à elevação do GptOpFuzNavFPaz, do tipo Companhia de Reação Rápida (QRF COY, sigla em inglês), ao segundo nível, no contexto do Sistema de Prontidão de Capacidades de Manutenção da Paz das Nações Unidas (UNPCRS).

Após a elevação ao nível 2 do UNPCRS, o Brasil conseguirá manter a representatividade internacional de suas Forças Armadas, estando apto a enviar contingentes militares para as diferentes missões de paz sob a égide da ONU.

Equipamentos e Armas do CFN

Para qualquer ação expedicionária do Corpo de Fuzileiros Navais, o veículo que entregará mobilidade, proteção e tropas onde elas se fizerem necessárias será o MOWAG Piranha 8×8 armado com metralhadora 12,7 mm (lança granadas 40 mm opcional) montada em uma torreta manual PLATT blindada.

O Mowag Piranha é um veículo blindado de transporte de pessoal 8×8 fabricado pela austríaca Mowag GmbH.

O Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) possui na atualidade uma frota de 30 Piranha III C 8×8, capazes de transportar oito (onze) soldados totalmente equipados.

Esses blindados acumulam extensa ficha de emprego operacional no Haiti (Minustah) e combates na cidade do Rio de Janeiro.

Mesmo sendo uma viatura sobre rodas, possui boas condições de deslocamento através de campo, devido à existência de um sistema central de calibragem dos pneus (central tire inflation system – CTIS), que ajusta a pressão dos pneus à natureza do solo.

Possui ainda elevada mobilidade, particularmente sobre eixos apoiados por estradas e em ambiente urbano, proporcionada pelo seu sistema de tração 8×8, aos dois eixos direcionais e elevada potência do motor.

A viatura possui as seguintes características: Guarnição com 2 militares e tropa embarcada composta de 11 militares; Velocidade máxima: 105 Km/h; Capacidade de combustível de 320 litros; Autonomia de 700 km; Peso de 18.500 Kg; Comprimento: 7,57 metros; Largura: 2,68 metros; Altura: 2,93 metros.

Entre os veículos de apoio, os onipresentes caminhões Unimog em diversas configurações serão responsáveis pelo transporte logístico, de pessoal e material enquanto os veteranos Land Rover e Marruás deverão atuar nas patrulhas de reconhecimento e escoltas de comboios militares, além de tarefas administrativas e de ligação.

Os 220 militares do grupamento deverão ser enviados em seu primeiro deployment ostentando o novo uniforme desenvolvido para o CFN.

O armamento padrão do Fuzileiro Naval é o fuzil Colt M-16A2, sendo que pelo menos um militar do grupo de combate (GC) utiliza um lança granadas de 40 mm acoplado a arma.

Capacete e colete balístico, coturnos marrons, táticos Molles, mochila de combate e material individual completam o equipamento básico.

Armas de apoio de fogo, as metralhadoras Minimi-PARA em calibre 7,62 mm substituem paulatinamente as veteranas FN MAG de mesmo calibre.

A arma anticarro disparável do ombro (descartável) AT-4 também é eficaz contra fortificações e posições inimigas na cabeça de praia.

Os lançadores automáticos de granadas de 40 mm podem ser montados em viaturas ou manobrados pela tropa.

Os morteiros pesados de 120 mm israelenses proveem o apoio de fogo a partir de bases fixas ou em missões específicas apoiados por caminhões Unimog para garantir a mobilidade.

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

5 Comments

  1. Usar Land Rover em operação de paz é temerário, mas isso e claro que dependendo da temperatura do conflito eles vão ficar na retaguarda, o EB talvez possa dá uma ajuda com os LMV Iveco, forte abraço 👍🏻 Caiafa

  2. Baita matéria, Caiafa. Parabéns!

  3. Caiafa, algo me chamou atenção. Em relação ao novo fardamento, eu achei que a tonalidade seria um pouquinho mais escura. A tonalidade vista na foto, é a que já está definida, ou o CFN poderá ainda mudar? Uma outra pergunta é: Existe, por parte do CFN, a aquisição de um novo coturno para os combatentes?

    1. Já vi dois tipos de uniformes: o mais claro com velcro preto (da imagem) e varias fotos de um ligeiramente mais escuro com velcro verde-escuro (https://www.flickr.com/photos/ministreiodadefesa/50885708507/in/photostream/).
      Creio que o primeiro seja um protótipo e o segundo seja o oficial.
      Corrija-me se estiver errado.
      Quanto aos coturnos, também tenho essa duvida.
      Ficaria grato se o Caiafa esclarecesse!

      1. Foi EXATAMENTE essa imagem que eu tinha visto em relação ao fardamento. Assim como você, acredito que, o mostrado na imagem, seja apenas um protótipo. Ao meu ver, a cor mais escura, é o que combina mais com o CFN. Eu li, não me onde, que o CFN, também trocaria o coturno. Inclusive, parece que estava ou está em teste, coturnos de fabricação nacional. Bom, também espero que o Caiafa nos tire essa dúvida.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in:COBERTURA