AR

Antares Polo Aeronáutico está previsto para março de 2021 em Goiânia

Início das obras no Antares Pólo Aeronáutico está previsto para março de 2021; Quick Aviação, Fênix Aviação e Grupo Tecnoseg estão entre os primeiros compradores

Com uma pista de 1.800 metros será capaz de receber até um Gulfstream 650, o Antares tem início das obras previsto para março e o investimento total será de R$ 100 milhões. A venda de lotes está acima das expectativas 

As obras do Antares, polo aeronáutico que vai ser erguido na região metropolitana de Goiânia, na cidade de Aparecida de Goiânia, vão começar em março do próximo ano. O empreendimento foi pré-lançado oficialmente em outubro e vai receber um investimento de R$ 100 milhões.  A comercialização de lotes já começou e diversas empresas aeronáuticas da região já garantiram seu espaço, entre elas a Quick Aviação e Fênix Aviação. Empresas atuantes em outros segmentos, como o Grupo Tecnoseg, de segurança privada, e investidores privados também estão garantindo lotes no Antares Polo Aeronáutico.

“Estamos muito contentes com a receptividade do projeto e do volume de negócios fechados até agora”, disse Rodrigo Neiva, Diretor Comercial do Antares. Com 209 hectares de área, o polo aeronáutico será voltado para aviação executiva, manutenção e operações logísticas. A construção do empreendimento será em cinco fases e para o lançamento serão disponibilizados apenas 100 lotes para venda. A estrutura de apoio e a pista ficarão prontos em 2024.

A pista do Antares terá 1.800 metros de extensão, podendo receber todos os modelos de aviação geral, jatos executivos, monomotores, bimotores, até o Gulfstream 650.

O empreendimento deve atrair empresas de táxi aéreo, serviço aeromédico, manutenção, hangaragem, escolas para formação de pilotos e estrutura de apoio, com comércio, restaurantes e hotel. A expectativa é atrair também indústrias, em especial fábrica de peças aeronáuticas, turbinas e motores para aviação, entre vários outros. Além de empresas voltadas para o segmento de logística.

O Centro-Oeste concentra grande parte da movimentação da aviação executiva no Brasil e o Antares quer absorver parte dos 63 mil pousos e decolagens realizados na região todos os anos.

O novo empreendimento será capaz de atender diversas necessidades em um só lugar, com um diferencial importante, os lotes poderão ser adquiridos, o que não acontece hoje nos demais aeroportos do país.

O Grupo Empreendedor responsável pelo Antares inclui as empresas Tropical Urbanismo, Innovar Construtora, CMC Engenharia, BCI Empreendimentos e Participações e RC Bastos Participações.

Diferenciais do Antares 

Ao todo foram necessários nove anos para aprovação do projeto. A licença da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) já foi concedida, assim como as devidas licenças ambientais.

Para empresas dos segmentos de aviação, de logística e indústrias de maneira geral, um dos principais atrativos será sem dúvida os incentivos fiscais já aprovados. Graças a uma lei de incentivo aprovada junto à prefeitura de Aparecida de Goiânia no ano passado, as empresas que se instalarem no Antares vão pagar 2% de ISS (Imposto sobre Serviços) por 20 anos, enquanto em outras cidades o valor chega a 5%, Além disso, a essas empresas serão concedidos 3 anos se isenção no ITU (Imposto sobre propriedade territorial urbana) e ainda alíquota reduzida do IPTU (Imposto predial e territorial urbano), variando de 0,08% a 0,3%. Além disso, toda a área do Antares foi incluída no plano diretor de Aparecida de Goiânia como área de interesse econômico e social do município. E foi editada uma lei específica no município que criou a área do sítio aeroportuário, com diretrizes de construção nas imediações do aeroporto e especificações para desenvolvimento da região.

No Centro-Oeste, apenas  os estados de Mato Grosso e de Goiás estão entre sete maiores do Brasil em termos de frota de aeronaves da aviação geral e a região também possui 46% dos aeródromos privados do país, sendo que 399 estão no Mato Grosso. A região é dona de uma frota de 3.595 aeronaves, e houve um crescimento de 1% em 2017, sendo que em todo Brasil no mesmo período a frota expandiu apenas 0,1%. O Centro-Oeste também acumula o título de dono da maior frota de aeronaves agrícolas, 470 aeronaves.

Em todo o Brasil, a frota de aviação geral ultrapassa as 15 mil aeronaves e se posiciona como a segunda maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Mais informações pelo telefone:  (62) 98475 6703.

What is your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Roberto Caiafa
Jornalista e Repórter Fotográfico especializado na Editoria de Defesa com mais de 15 anos de experiência profissional. Corresponsal no Brasil de Infodefensa desde abril de 2011. Youtube Canal Caiafamaster (https://www.youtube.com/c/caiafamaster)

You may also like

2 Comments

  1. Sou um defensor das normas, acho que temos que cuidar de nossos recursos, nossa história. Não dá para liberar obras e destruir um sítio arqueológico ou acabar com um ecossistema especifico e perde para sempre esse recurso, tido isso, não é possível levar 9 longos anos para sair as licenças, isso acaba com nossa nação, nossa economia e acaba afugentando investidores. Precisamos proteger e analisar, sim. Mas tem que acelerar esse processo, que os órgãos oficiais e responsáveis contrate mais pessoal e melhorem suas estruturas. Parabéns aos empreendedores e viva nosso centro oeste.

  2. pertin da onde eu moro e nem tava sabendo vai se muito top mais uma ves notícia quentinha👏

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:AR